A vergonha de torcer

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Minhas lembranças, constantemente, remetem àquela tarde de Novembro, quando conquistamos o acesso à série A. O gol de Evando passa como um filme mágico à frente dos olhos. Um misto de êxtase, euforia e uma imensa alegria se apoderou de todos nós naquele dia no estádio. A fantástica torcida do Avaí viveu e fez história naquele dia.

Havíamos construído um sonho.

Com uma estrutura já montada no clube e uma sede pelos jogos na série A há muito contida, tornamos realidade o sonho de alçar vôos mais altos, fazer jogos memoráveis, promover festas magníficas, ter desempenho brilhante no campeonato. E tudo ia se concretizando. Ingenuamente imaginávamos que era só manter aquele momento, de forma permanente, que poderíamos provar o líquido precioso e saboroso das grandes conquistas.

A torcida do Avaí, naqueles dias, vivia uma de suas melhores fases. Fomos capazes de invadir os estádios dos adversários, demonstrando sermos uma legião de adoráveis inconseqüentes envolvidos com nossa maior paixão. Conquistaríamos tudo e todos, até esgarçarmos os lábios de tanta felicidade.

Mas, isso não aconteceu.

Os negócios com atletas, a necessidade de fazer caixa e o alto custo para manter um time jogando na série A foi minando o clube e esfolando a torcida, a ponto de hoje sermos estranhos em nosso próprio estádio. O resultado disso, sem mais necessidade de se reviver as nossas mazelas e as dificuldades que nos assolam é uma campanha pífia e uma torcida apática. Daquele dia, do jogo do acesso, quando quem dava o tom na Ressacada era a nossa torcida, para estes dias, onde os adversários se sentem em casa, uma diferença do tamanho do Atlântico nos oprime.

Em certo momento da partida de ontem contra o Curintia senti uma tristeza imensa. Constatei que não tínhamos torcida. Eram ali meros espectadores. Alguém que paga para assistir a alguma coisa, sem emoção, sem vibração, sem compromisso, sem garra, nem empolgação. Um vislumbre da bela insensatez que nos fez torcedores fiéis e fanáticos somente aconteceu após a virada, no entanto, tímida e de rosto corado. Parece que ficamos com vergonha de torcer.

Os preços praticados na Ressacada têm que ser revistos urgentemente, sob pena de termos que pedir licença para torcer em nosso próprio estádio.

4 comentários:

  1. Adriano Assis disse...:

    Ontem foi um tapa na cara dos avaianos, até no setor H a PM baixou o sarafo nos torcedores locais... Foi uma bela vitória para a diretoria abrir o olho.

  1. 90% da culpa desse estádio vazio é de nossa diretoria, que continua achando que os preços das mensalidades e ingressos estão agradando. Outra coisa lamentável foi ver amigos meus sócios do setor G, verem seus lugares dominados pela torcida do "curintia". Isso é um absurdo! Ah, os outros 10% culpados são aqueles "torcedores de radinho", que só sabem reclamar, criticar, mas que nunca vão ao estádio para apoiar o time!

    Que venham muitas vitórias!
    Que respeitem mais o torcedor!
    Que baixem as mensalidades/ingressos!
    Vai Prá Cima Deles Leão!!!

  1. Adriano e Dinho, eu não admito ser revistado pela PM, a nossa torcida não pode levar faixas, bandeiras, sinalizadores, tem os ingressos mais caros do país e, para os visitantes pode tudo?
    Aí não dá, né.

  1. Aguiar, não todos, mas tava cheio de PM cagão e omisso ontem! Qual será a explicação que eles deram sobre a entrada de sinalizadores? Bando de frouxos!!!

Postar um comentário

Os comentários aqui postados sofrerão moderação. Anônimos serão deletados, sem dó, nem piedade.
Não serão aceitos comentários grosseiros com palavrões, xingamentos, denúncias, acusações inverídicas ou sem comprovação e bate-bocas.
Não pese a mão. A crítica deve ser educada e polida.

 
Força Azurra © 2011 | Designed by VPS Hosts, in collaboration with Call of Duty Modern Warfare 3, Jason Aldean Tour and Sister Act Tickets