Um lance, um resultado

domingo, 1 de maio de 2011

O futebol sempre foi aquele tipo de esporte onde o imponderável manda num resultado, mas não é uma caixinha de surpresas, não é decidido no limite, porém na construção de uma campanha. Quando se diz que um campeão se faz no campeonato e não numa decisão, o resultado não pode ser outro. Ganha quem joga um campeonato. Por isso que é simples.

A Chapecoense era toda favorita para esse jogo. O Avaí veio como um quase franco-atirador. A sua história já foi contada, a sua história ficou marcada pela recuperação, pela garra, pelo empenho tipicamente avaianos. Mas também ficou definida como de um time que podia muito e não apresentou nada. Apenas no final, apenas nos último instantes.

O lance do jogo está bem delineado. O desmonte da zaga.

O Avaí, nos útlimos jogos, mostrou que encaixou um time principalmente na defesa. Tem um zagueiro habilidoso, Cassio, e um zagueiro alto, Gian. Exatamente nas posições que tanto nos causaram estragos nesse ano. Contudo, a zaga começou a ficar bem composta e muito bem segura nas três últimas partidas, com os dois dando conta do recado.

Renan tem a bola e lança mal para o ataque. Gian está indo para o ataque, acompanhando a bola, mas tem que voltar rapidamente, pois o atacante, no meio campo, iniciar um fulminante contra-ataque. Gian faz um esforço medonho, além de sua capacidade física e se contunde. É substituido e em seu lugar entra um zagueiro, Émerson Nunes, que não é da posição. Resultado: a zaga se desarticula.

A partir daí todo mundo já sabe, todo mundo já viu. A Chapecoense, que não conseguia furar o bloqueio do Avaí, vem pro segundo tempo com mais velocidade, ganha as bolas forçando em cima dos zagueiros e na velocidade de Aloisio. Daí para o empate foi uma questão de tempo. Foi um empate típico daqueles do meio do campeonato, quando a zaga não se achava em campo.

O lance do jogo não foi a bola de Rafael Coelho, ainda que se fizesse matava o jogo. Foi a desconstrução da zaga no primeiro tempo. A Chapecoense faria mais gols, se fosse necessário. Foi campeã com méritos e o Avaí tem que repensar muita coisa daqui para frente.

7 comentários:

  1. Paulo disse...:

    Colhemos o fruto do famigerado planejamento. Em ocasiões melhores não conseguimos vencer, imagina agora.
    Que sirva de alerta para diretoria, temos que planejar o planejamento pois, o que importa para a torcida é ganhar os clássicos e ser campeão estadual.
    A torcida tem noção do tamanho de nosso clube, por isso só exige isso.

  1. Renato disse...:

    Para compensar a decepção proporcionada a torcida avaiana, os jogadores só tem uma alternativa: conquistar o título da Copa do Brasil.
    Temos que para de ser apenas COADJUVANTES.
    A torcida deveria exigir isso!

  1. Concordo, Renato. Agora é uma questão de honra. Só tem um problema: o técnico será o mesmo e aí as garantias se acabam.

  1. sergio araujo disse...:

    O Silas quando mexe no time é uma desgraça, acabou o jogo com Acleisson, Diogo Orlando, Bruno e Fabiano ou seja, precisando da vitória ele acaba o jogo com quatro volantes.

  1. Esse estar vencendo de 2 a 0 e deixar empatar já virou uma sina pro Avaí...lamentávelmente! Só queria salientar que houve um pênalty não marcado em cima do Willian, que poderia mudar o placar...
    Fica a lição!!!

  1. Pois é, Serjão, quando eu achava que as convicções do cidadão estavam mudando, eis que ele nos presenteia com sua mediocridade.

  1. Dinho, tens razão. Lembro que o mesmo placar esteve na conta do Avaí durante boa parte da campanha de 2009. Tá na hora de termos um técnico vencedor.

Postar um comentário

Os comentários aqui postados sofrerão moderação. Anônimos serão deletados, sem dó, nem piedade.
Não serão aceitos comentários grosseiros com palavrões, xingamentos, denúncias, acusações inverídicas ou sem comprovação e bate-bocas.
Não pese a mão. A crítica deve ser educada e polida.

 
Força Azurra © 2011 | Designed by VPS Hosts, in collaboration with Call of Duty Modern Warfare 3, Jason Aldean Tour and Sister Act Tickets