O dia do melhor ano para o resto de nossas vidas

domingo, 1 de maio de 2011

O dia de hoje nos reservará coisas que poderão ficar marcadas na história de nosso clube. Poderemos encaminhar uma classificação para disputar um título estadual pela terceira vez seguida. É um feito raro em terras catarinenses, cujo futebol é tido como um dos mais equilibrados do país. E o Avaí poderá ser capaz de firmar seu nome nos arquivos deste campeonato.

É desnecessário, mais uma vez, dizer o quanto começamos errados. Um planejamento equivocado quase nos envergonhou. Ficamos dependentes de falastrões e bufões para encaminhar nossa trajetória. Vimos coisas que não ocorrem mais nem em torneios de ligas amadoras. Nem nas peladinhas de fim de semana, entre casados e solteiros, tivemos tanta pantomima para um clube como o Avaí.

Porém, chegamos.

E se chegamos a esta decisão isto não pode ser creditado à obra e responsabilidade do treinador do Avaí, unicamente. Não, de jeito algum. Ele é uma peça e não o motor. E uma peça recauchutada, diga-se.

Quando Silas chegou ao Avaí pela primeira vez narizes torceram-se pela sua vinda. Ninguém o conhecia. Foi conquistando espaço e dignidade pela sua postura. Ele é um homem de personalidade forte e índole ilibada, é preciso que se diga isso. Obteve êxito graças a essa condição. Os avaianos conheceram um homem de fibra. Mas, também, o sucesso naqueles anos de 2008 e 2009 deveu-se ao bom time que foi montado.

Contudo, Silas fracassou no primeiro ano ao empatar com o Criciúma em casa. Conseguiu, logo depois, o acesso junto ao bom time, mas no Brasileirão do ano seguinte precisou ser empurrado para que a coisa desse certo. Foi para outros clubes, não se firmou, conseguiu o óbvio e voltou, cheio de marra e arrogância, que já havia revelado fora daqui quando cuspiu no prato que comeu.

O time que punha em campo neste ano de sua volta jogava um futebol medíocre. Claro que não teve culpa na montagem do elenco e teve que jogar com o que tinha. Qualquer sujeito com ao menos dois neurônios sabe disso. Porém, demonstrou estar sem muita inspiração e assumiu sua reconhecida teimosia. Fomos caindo pelas tabelas com uma desculpa esfarrapada, a de que “se estava construindo um time”.

Até que ele precisou entender o que era o Avaí. É, Silas entendeu o que era o Avaí naquele jogo contra o Botafogo.

Silas sentiu o bafo na nuca da torcida mais fanática desse Estado. Aquele ventinho que bafeja ali, nos sagrados parapeitos do Setor A. Um local que já existia no velho Adolfo Konder e que nenhum metido pode acabar. Aquilo é um espaço sacramentado. Silas soube que para um avaiano, aquele que enfrenta filas, toma chuva, arrepia-se em frio siberiano, se escalda em sóis saáricos, paga ingressos europeus, reclama, mas não falta à Ressacada, não basta ganhar ou perder um jogo, mas jogar como um avaiano. Jogar como se fossem torcedores em campo. Jogar como um Marquinhos, que briga e estabefa pelo Avaí, da mesma forma que joga e faz gols. Silas entendeu isso e pôs em campo o time dos avaianos. E, ao que parece, o mesmo ocorrerá hoje, em Chapecó.

O Avaí fará história nesse domingo, com Silas, Marquinhos, William e todos os avaianos, mostrando que para jogar um campeonato há que se ter a participação da torcida, da direção e do time. Ou são todos no mesmo barco ou não será ninguém. O Avaí poderá ser campeão do turno e pode disputar o seu tri-campeonato. Ou não! Mas que ninguém, nunca, jamais e em momento algum esqueça e duvide da força e da história deste clube, que nas horas decisivas se une.

A história vai conhecer um verdadeiro clube campeão, seja qual resultado houver.

4 comentários:

  1. Anônimo disse...:

    ALEXANDRE..., AQUILO QUE COMEÇOU TOTALMENTE ERRADO, EM TUDO, DIGA-SE DE PASSAGEM NESTE ANO DE 2011 PARA O NOSSO QUERIDO AVAÍ, PODERÁ HOJE COMEÇAR A TER UM FINAL FELIZ. PODERÁ COMEÇAR, SIM. AINDA NÃO SEREMOS TRI., PORÉM, SERÁ MAIS DE MEIO CAMINHO ANDADO. LEVANTAREMOS A TAÇA DO RETURNO, JÁ ESTAREMOS NA COPA DO BRASIL/2012, E EM DOIS JOGOS DECIDIREMOS NOSSA "SORTE" NO TRICAMPEONATO ESTADUAL. EM OUTRAS OPORTUNIDADES JÁ HAVIA DITO QUE TEMOS QUE TER A HEGEMONIA DO FUTEBOL CATARINENSE. AGORA, FUTEBOL É FUTEBOL E TUDO PODERÁ OCORRER. QUE NOSSOS ATLETAS ESPECIALMENTE HOJE EM CHAPECÓ, TENHAM -GARRA-LUTA E SEJAM MUITO DETERMINADOS, TENHAM ATITUDE E CORAGEM EM CAMPO DE JOGO PARA TRAZER PARA A CAPITAL DO ESTADO, PARA A ILHA DE SANTA CATARINA, PARA SUA GRANDE E FERVOROSA TORCIDA O "CANECO" DO SEGUNDO TURNO E A VAGA PARA DISPUTAR COM O TIME DO SUL DO ESTADO MAIS UM CAMPEONATO ESTADUAL.

    RICA - JRCÂMARA.

  1. Estou repetindo minha receita prá hoje:

    SOBREMESA AZUL

    Fórmula:
    Coloque 11 jogadores,
    acrescente qualidade,
    raça,
    determinação,
    até formar um time aguerrido.
    Misture tudo com a camisa 12,
    vibrando,
    empurrando o time,
    formando um só coração.

    Resultado: Uma deliciosa vitória Azurra
    a ser saboreada no domingo!


    VAMO VAMO AVAÍ!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  1. Rica, concordo com tudo. E tem mais, é bom que se diga que o Avaí chegou na final e não um ou outro.

  1. Dinho, bela receita. Vamos nos empanturrar.
    Só faltou a champagne para o brinde final.

Postar um comentário

Os comentários aqui postados sofrerão moderação. Anônimos serão deletados, sem dó, nem piedade.
Não serão aceitos comentários grosseiros com palavrões, xingamentos, denúncias, acusações inverídicas ou sem comprovação e bate-bocas.
Não pese a mão. A crítica deve ser educada e polida.

 
Força Azurra © 2011 | Designed by VPS Hosts, in collaboration with Call of Duty Modern Warfare 3, Jason Aldean Tour and Sister Act Tickets