E se...

terça-feira, 26 de abril de 2011

A vida das pessoas é uma constante tomada de decisões. Vivemos entre a dúvida e a certeza, dia e noite. Somos humanos exatamente por isso. Pensamos, analisamos e contemporizamos. E decidimos. Mas, antes da decisão, existem as conjecturas, que costumeiramente chamamos de condicionais. Os testes de hipóteses.

E se chover amanhã?

E se eu tivesse dinheiro?

E se houvesse tomado outro caminho?

E se o Brasil fosse colonizado pelos ingleses?

E se eu fosse...

E se nós tivéssemos...

E se...

Ao logo do dia elaboramos esta imensidão de teses, que nos conduzem. Tomamos as decisões, mesmo sem saber, baseando-nos nisso, nesse comportamento típico. Chegamos à conclusão, entretanto, de que o SE não existe. É comum interpretarmos as coisas assim, imaginando que já existe um caminho definido e traçado. Damos a entender que a discussão não tem importância, pois o tempo não pode voltar para se constituir uma nova realidade. Está envolvido com as coisas do acaso.

Presumir outras realidades, contudo, é um exercício importante para nossa condição, até para a nossa sobrevivência. São incontáveis SEs que poderiam mudar a trajetória de uma pessoa, de uma comunidade, de um país, até do mundo.

Por isso, planejamos. Para fugir da situação meramente especulativa e condicional, aleatória, elaboramos projetos, que nada mais são que postular os SEs de maneira ordenada. Vamos propondo os vários cenários, viáveis ou preocupantes, que direcionam nossa conduta para o sucesso.

Se (olha aí!) trouxermos toda esta análise para o Avaí Futebol Clube, agremiação de futebol que se quer grande, profissional e complexa verificamos que pode até ter havido um planejamento, sim, mas que foi no papel, na teoria, pois sua conduta foi deficiente e/ou mal trabalhada. Fomos dependendo dos percalços, dos obstáculos, das dúvidas e anseios para ajustar a trajetória do time.

Fomos avaianizando o campeonato, ou seja, tornando difíceis e complicadas as coisas que poderia ser mais fáceis. Vamos nos acomodando, nos submetendo.

O Avaí chegou à final do campeonato. Restam três jogos, que são independentes.

Se for campeão, será da forma avaiana de ser, contra tudo e contra todos, sendo tudo mais difícil.

Se sair derrotado já na primeira decisão no domingo, terá que rever seus projetos futuros, pois já não pode mais contar com a sorte, com o acaso.

Todavia, uma coisa é certa: só se conquistam coisas na vida com planejamento. Analisando todos os obstáculos e realidades, conjecturando, e deixando as obstinações e teimosias de lado. O SE joga, sim, desde que com inteligência. Desde que não faça parte do acaso.

2 comentários:

  1. Belo texto Aguiar! Assim também vejo o Avaí, mesmo com um planejamento ridículo, que nos fez perder 4 jogos no início do campeonato (pontos que hoje nos fazem muita falta...), o Leão vem rugindo mais pela raça, garra dos jogadores, e a incomparável Camisa 12, que joga junto sempre, do que por aquilo que só ficou no papel...

  1. Guilherme disse...:

    Boa tarde Alexandre, gostaria de saber se o Avaí vai colocar ônibus para a torcida??? não seria hora de algum empresário aparecer e bancar os ônibus pra torcida e ganhar como contra partida sua marca no uniforme do leão??? não é assim que se faz mídia???em miúdus, alguém me ajuda a ir pra chapecó!!!hehehehe.

Postar um comentário

Os comentários aqui postados sofrerão moderação. Anônimos serão deletados, sem dó, nem piedade.
Não serão aceitos comentários grosseiros com palavrões, xingamentos, denúncias, acusações inverídicas ou sem comprovação e bate-bocas.
Não pese a mão. A crítica deve ser educada e polida.

 
Força Azurra © 2011 | Designed by VPS Hosts, in collaboration with Call of Duty Modern Warfare 3, Jason Aldean Tour and Sister Act Tickets