A um passo além da eternidade

segunda-feira, 30 de maio de 2011

O técnico Paulo Silas é um Iluminado. Pelo menos é assim que ele se considera.


A altivez, o orgulho, a soberba demonstrados por este senhor, que é treinador do Avaí, levam-nos a pensar que ele se orienta por uma missão gloriosa, tal a sua determinação e seu empenho nas convicções que assume. Ele pensa estar num projeto celestial, conduzido por forças cósmicas, orientado a levar não o Avaí, mas a sua personalidade a permanecer nos anais do universo.

O senhor Paulo Silas não pensa numa vida mundana, ao lado de personagens seculares. Não, nada disso. Ele formata eventos apoteóticos, desempenhos avassaladores a cada partida de futebol, como uma divindade suprema e irretocável. É para ele aparecer e não os outros. As partidas que dirige são eivadas de efeitos deslumbrantes, arrebatadores. São de natureza épica. Se alguém duvida, relembre a partida pela semi-final do Catarinense-2011. Naquela oportunidade ele fez os jogadores entrarem descalços no gramado do Índio Condá e incentivou alguns a provar da própria grama, numa forma de consagrar o time, aplicar uma devoção à causa e ungi-los não para uma partida de futebol, mas para um sacrifício nobre.

Seu deus e sua religião são meros sustentáculos, simples artifícios para sua revelação. Depois do perdão cristão ele quer, agora, a humilhação piedosa e cândida, uma espécie de imolação santificada por parte da torcida.

Os coadjuvantes do espetáculo que proporciona ou se coadunam ou caem, um a um, se não seguirem suas pregações grandiosas e heróicas.

Se Evando é acariciado pela torcida, ele trata de deixá-lo no banco a supurar sua outrora necessidade nirvânica. Não pode haver dois iluminados na Ressacada.

Se William é candidato a rei, pois já é príncipe, será colocado numa posição escondida no campo. Deverá superar-se das marcações contundentes e salvar a procissão de santos dispostos no gramado. As contusões pelo esforço são as penas a pagar pela petulância de querer ser mais que o chefe. Um príncipe imolado.

Marcinho Guerreiro é aclamando em uníssono? Então o senhor Paulo Silas trata de ajeitar uma forma de ele jogar no limite, segurando as chaves do paraíso siliano, mas não garantindo que as outras portas da defesa estejam fechadas. O Guerreiro se esvai em suores e cansaço, até não poder mais.

Os querubins de sua lavra, como Diogo Orlando, Marquinhos Gabriel, Felipe, Acleison e Revson, são, estes sim, sectários da causa, seguidores do santo ofício e podem ser considerados os ungidos a auxiliá-lo na sua sacra demanda.

Já para Renan é imposto o sacrifício maior, o de receber os olhares e angustias das arquibancadas, a contemplação dos necessitados, que apostam nele as defesas santificadoras, mas que para isso é preciso atravessar o calvário de zagueiros mal dispostos e atarefados. A sua crucificação estigmatizadora debaixo das traves é um bálsamo purificador para quem não quer concorrentes na oblação.

Estrada, pela voluntariedade e empenho, agraciado com vivas pela torcida, não terá vez no altar dos escolhidos. Nunca. Jamais. Sua atitude é superior aos querubins de pau oco e, se entrar mais vezes nos jogos, poderá desestabilizar o intento maior, que é a heróica caminhada ao estrelato dos sacrificados do senhor Paulo Silas. O Corpus Silas não pode conservar reverências colombianas.

Por último, o Anjo Loiro, que teima em se manter ao largo da marcha santa do senhor Paulo Silas. Marquinhos Santos rouba a cena, pelo bem ou para o mal. Divide microfones e incentiva a torcida. É amado e odiado. É um dissidente direto. Um bezerro de ouro idolatrado e venerado como se faz a um deus pagão. Não pode fazer parte da saga protagonizada pelo treinador. Deve ter suas funções acorrentadas e sua iniciativa podada pela falta de companheiros. Quanto pior jogar e quanto mais vaiado for pelos crentes avaianos, maior será a caminhada do senhor Paulo Silas para a eternidade.

Não, nada disso, a eternidade é pouco, é logo ali. Ele quer mais. Ao infinito e além.

Enquanto isso, para o Avaí e sua torcida, é-lhes reservado o mais profundo dos infernos, a mais dantesca das humilhações, pois, ao contrário do que parece, não podem haver dois deuses na Ressacada.

3 comentários:

  1. Eron disse...:

    Meu caro Alexandre, nosso treineiro cagão já está entrando no umbral com essa campanha medíocre, para dar um abraço no diabo é rapinho!
    Eron

  1. Thiago disse...:

    assina aonde?!

  1. Meus caros Eron e Thiago, com toda a sinceridade não queria fazer estes tipos de comentários. Dói, memso, de verdade, a gente constatar que a canoa está virando.

Postar um comentário

Os comentários aqui postados sofrerão moderação. Anônimos serão deletados, sem dó, nem piedade.
Não serão aceitos comentários grosseiros com palavrões, xingamentos, denúncias, acusações inverídicas ou sem comprovação e bate-bocas.
Não pese a mão. A crítica deve ser educada e polida.

 
Força Azurra © 2011 | Designed by VPS Hosts, in collaboration with Call of Duty Modern Warfare 3, Jason Aldean Tour and Sister Act Tickets