Assim na grama como nas ruas

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

A gente que acompanha o futebol nestes anos todos sabe que ele é muito mais do que um esporte, é uma específica atividade humana, é um jogo, é algo que mexe com valores e emoções, é algo que encanta e frustra, arrebanha e desestimula. O futebol profissional reflete a autêntica condição humana.

Erros, acertos, infortúnios, sorte, luta, coragem, determinação, ousadia, definição e, principalmente, responsabilidade são os ingredientes que fazem do futebol algo igual à sociedade em que vivemos. Num ambiente de futebol, ambição, vaidade, egoismo e "rasteiras" competem em mesmo grau e intensidade com a bondade e o altruismo, semelhante ao que há na sociedade. Às vezes, com mais força.

Assim como na sociedade, o futebol precisa de administração e planejamento. O futebol não é apenas a partida, o evento jogado nos 90 minutos, mas algo que se vive 24 horas por dia, todos os dias da semana. Por isso, essa estrutura deve ser administrada e planejada a todo instante com competência e inteligência. Assim como na sociedade, o futebol não pode ser levado ao sabor dos ventos. Os humores não podem gerenciar nem uma sociedade tampouco o futebol como um todo.

Sociedades mal administradas e com ingerência pública entram em crise e beiram à falência. Assim como clubes e instituições de futebol.

A única e principal diferença é que a paixão existente no futebol é indomável, sem controle e longe dos interesses, a não ser o foco no clube e no time que o representa. Enquanto que na sociedade paixões e motivações associadas a crises podem ser controladas pelos mecanismos políticos existentes, quaisquer um, num clube de futebol isso não existe. É impraticável. Por isso, no futebol, a bipolaridade leva ao facasso completo e absoluto. Sem compaixão. Num momento de crise num clube de futebol, é muito melhor a união das partes envolvidas, direção, torcida e jogadores, do que o estabelecimento da anarquia completa, ou do desmando desmedido.

Na sociedade, há os mecanismos de controle, ainda que haja contundentes reformas e revoluções arrasadoras. Num clube de futebol, as portas se fecham se ninguém mais se entende.

3 comentários:

  1. No Avaí já está uma anarquia e faz tempo, desde que o Gallo chegou, querendo trazer quem ele queria, afastando Marcinho Guerreiro... lamentável! Tem que ir embora e já!!!

  1. Sergio Nativo disse...:

    Gustavo Mendes diz que é preciso serenidade e tranquilidade para tocar o trabalho.
    Completou: ...O técnico tem a confiança de todos dentro do clube para continuar seu trabalho.
    Dentro do clube onde nenhum deles apresentou resultado positivo, acho normal. Mas não é o pensamento de nos torcedores que amamos o nosso clube e o acomparemos seja em que serie for.
    Para o bem do Avai o correto é a saida de Gallo e toda sua turma, incluindo seus amigos duble de jogadores.

  1. Anônimo disse...:

    Todo esse bla bla bla desses incompetentes (garnizé e sua trupe)é apenas para garantir emprego, no final do ano quando o time estiver rebaixado eles vão embora rindo da gente e ficamos aqui com cara de tolo e o Avai em frangalhos.
    Eron

Postar um comentário

Os comentários aqui postados sofrerão moderação. Anônimos serão deletados, sem dó, nem piedade.
Não serão aceitos comentários grosseiros com palavrões, xingamentos, denúncias, acusações inverídicas ou sem comprovação e bate-bocas.
Não pese a mão. A crítica deve ser educada e polida.

 
Força Azurra © 2011 | Designed by VPS Hosts, in collaboration with Call of Duty Modern Warfare 3, Jason Aldean Tour and Sister Act Tickets