Pensando no futuro

quarta-feira, 24 de agosto de 2011


Eu não sou daqueles que vive babando pelas personalidades. Faço jus às suas competências, mas quem amo mesmo são minha mulher e meus filhos. Portanto, no âmbito do futebol, onde permeia a bipolaridade, execrar um jogador ou treinador, hoje, e aplaudi-lo desbragadamente amanhã não é comigo. Uma coisa é ter admiração pela carreira profissional de alguém. Outra coisa é aquela reverência peculiar que distorce o raciocínio e esfola as mãos. Eu prefiro a primeira opção.

Por isso, não vou tecer comentários à atitude de Rafael Coelho em se omitir do clássico. Ele sabe, mais do que ninguém, que apenas quem pune é a bola. Também não vou levantar impropérios ao novo técnico do Avaí antes de seu primeiro ato. Conversas com Neguinhos e Branquinhos e carreira de currículo pouco atrativo não são atestado de incapacidade. Se ganhar o clássico, será endeusado. Se perder, é o mais do mesmo e a vida bandida do Avaí segue. No reino da mediocridade às vezes temos que passar também por medíocres para não atestar a mediocridade dos outros.

Precisamos é entender o momento do Avaí, que foi trazido até aqui por puro descaso. Claro que nessa altura do campeonato tanto o jogado, quanto o da nossa vida, investir numa aposta (sim, o Toninho Cecílio é uma aposta, que isso fique bem claro!) é sinal inequívoco de que se está pensando no futuro. Nosso passado de glórias ninguém nos tira e nosso presente é um pesadelo de onde não conseguimos acordar. Portanto, é olhar pra frente.

Se encerraram as cotas de bobagens. É, isso mesmo! A diretoria avaiana, depois de tantas voltas, com GPS sem bateria e com a bússola quebrada, percebeu que, se fez tudo errado, então o negócio é investir no futuro. Ao cair para a série B, deverá ter porte amadurecido o suficiente para reconhecer o erro que o levou até ali, e se municiar de força e saúde para voltar brevemente. Se o novo técnico emplacar, ainda que não consiga nos tirar do atoleiro, deverá se manter na montagem de um novo time.

Constatamos as deficiências, condenamos, xingamos e nos aborrecemos pela ineficácia em corrigir a rota, mas é bom entender que o futebol tem disso, dessas coisas terríveis que são os rebaixamentos e as glórias do acesso.

A única coisa que deve ficar de lição, para uma correção de rota no futuro, é que time sem torcida não anda. Empaca, patina, se arrasta. Esse deve ser o pensamento para a próxima temporada, independente de qual série estejamos, ou seja, trazer de volta a torcida do Avaí para a Ressacada. Se, num primeiro momento, isso for corrigido levando-se em conta a sensatez característica do futebol, voltaremos a nos orgulhar de nosso clube. Se não, as séries mais baixas do campeonato nos aguardam.

1 comentários:

  1. Também não vou tecer comentários a respeito do técnico Toninho. Apenas torço pra que faça um bom trabalho, e nos ajude a sair (e não mais voltar) do Z4. Quanto a nós torcedores, que possamos ser tratados com mais zelo, afinal, somos o maior patrimônio do Avaí!

Postar um comentário

Os comentários aqui postados sofrerão moderação. Anônimos serão deletados, sem dó, nem piedade.
Não serão aceitos comentários grosseiros com palavrões, xingamentos, denúncias, acusações inverídicas ou sem comprovação e bate-bocas.
Não pese a mão. A crítica deve ser educada e polida.

 
Força Azurra © 2011 | Designed by VPS Hosts, in collaboration with Call of Duty Modern Warfare 3, Jason Aldean Tour and Sister Act Tickets