Positivo igual a zero

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Sempre se disse que querer é poder. As velhas fórmulas filosóficas e as recentes teorias de auto-ajuda indicam que o sujeito quanto mais quer, mais pode. É o utilitarismo do pensamento positivo. Diz-se que um único ser vivente pensando positivo é capaz de mudar o mundo, ao menos o seu mundo. E um coletivo pensando positivo, alteraria até as leis do Universo. Mas, como eu sou cético ao extremo, avesso às rezas e mandingas e com todos os pés no chão, afirmo que querer, na verdade, é sonhar. Pode ser filosofia de botequim regada a originais e brahmas, mas raramente dá errado.

Estamos nos enganando com este time que dizem ser do Avaí há muito tempo. E estamos, como torcedores, achando que “agora vai dar”, “dessa vez vai dar certo”, “quem sabe hoje vencemos”, “vamos sair dessa”, “avante, Leão”, “ força azzura (ops!)” e assim seguimos. Não, não foi e não vai. Isso significa que joguei a toalha? Não, ainda não.

É bem sabido que o futebol é um negócio milionário com 90% de paixão e 10% de conspiração. Não é uma ciência exata. No futebol vivemos com o imponderável e o sobrenatural, e a única lógica que se conhece é aquela dos números de contas bancárias de jogadores, empresários e quejandos. E, ainda assim, há desvios de receitas e sonegação de impostos. Sobra, apenas para a patuléia carente de bons resultados de seu time, o sonho e as ilusões. Um desvio de conduta racional e sonegação de realidade. O torcedor de futebol é um eterno iludido.

Por isso, torcemos. Estamos sempre imaginando dias mais azuis e ensolarados, mesmo que a previsão do tempo seja de tempestades e chuvas negras diluvianas. Todos os avaianos sabemos o quanto nos custa manter essa ilusão. E não é apenas pelo valor do aluguel das cadeiras na Ressacada, o preço das camisas e dos quitutes e quinquilharias que nos oferecem para nos rotular como autênticos avaianos. Falo do valor emocional. E da dor da frustração. Contornamos a ordem natural das coisas no intuito de nos sentirmos melhores, na medida em que nosso time frouxo e sem carisma nos engana a cada rodada.

Mas, não nos afastamos. Por quê? Porque somos torcedores.

No último jogo eu, particularmente, me senti humilhado. Um nada. Um coisinha alguma, um trocinho diante daquele espetáculo pantomímico patrocinado pelo não-time do Avaí. Me senti abaixo do calcanhar da mosca do cavalo do bandido. Tudo porque eu, assim como muitos resistentes, vamos para a Ressacada pensando positivo, imaginando uma reviravolta, supondo uma fenomenal virada, para, ao final da partida, constatar que tudo não passava de um sonho numa noite pavorosa de inverno. Decidi, naquela hora, não mais ir ao estádio. 

Minha cota de paciência foi pras cucuias. Meu copo recebeu a última gota de mediocridade.

Mas, ...eu vou. Ao menos, pretendo ir.

É certo que não vou mais iludido, com esperanças de algo melhor, com o velho e surrado pensamento positivo. Nada disso. Vou assistir ao próximo jogo do Avaí com a razão acima da paixão e com a resiliência dos complacentes.

O Avaí conseguiu fazer isso, matar a nossa ilusão e aos poucos está apagando a nossa paixão.

3 comentários:

  1. Eu não desisto nunca! Vou até ao ultimo jogo! Não sou um iludido, nem cego as coisas erradas que acontecem em nosso clube, mas, sou torcedor e como disseste, apaixonado pelo time.
    O que NÃO concordo é o que disse esse cidadão nesse blog aqui:

    http://www.devirada.com.br/2011/08/nao-irei-mais-torcer-para-o-avai.html

    Leia e depois tire tuas conclusões.

  1. Anônimo disse...:

    Aguiar, vamos lá!
    Imagina se o Avai começar a ganhar, a partir da filial e depois engrena.
    NO final do ano permanece.
    Qual será o comportamento dos blogueiros?
    Será igual do ano passado?
    Ficamos e mudamos nossos conceitos?
    Venho dizendo que o Avai está perdendo para ele mesmo. continuará a perder se continuarmos a deitar falação.
    Estou estarrecido com os comentários que venho lendo em todos os blogs. Uns deixarão de torcer pelo Avai. Mais vai ao estádio de graça porque é promotor. Outros detonam porque não gostam do Neguinho. São raivinhas e permanecem comentando uma situação que aconteceu em janeiro. Nâo se lembram de que o Avai quase foi campeão da copa do brasil, porém se lembra de que o Neguinho não quis ir ao Eguador.
    Certo está o dinho. Vai ao estádio, independente do resultado. Esse é o Avai.
    Será que detonando o clube, a diretoria, o Nerto, o Funchal, o Galvão, o Mendes o Avai vai sair da crise?
    Sempre achei que no encerramento do exercicio é que se discute o resultado. Que durante a crise não se busca culpados e sim solução.
    Será que baixando os ingressos (eu sou favorável a redução) o Avai vai começar a ganhar seus jogos?
    Porque a torcida e os blogueiros não evitam de diminuir e achincalhar nossos produtos (jogadores) e depois ficam reclamando que o clube não os transferem, nem os vendem. Como vender se os blogueiros, torcedores e o manda chuva do Avai, o MAL, ficam dizendo que eles não servem nem para limpar as privadas do clube?
    O Avai somente sairá dessa se os torcedores, blogueiros, criticadores, comentadores o deixarem em paz.
    abs
    décio sardá

  1. Anônimo disse...:

    Décio, dessa vez te superasses, és um viajão, querer que ninguem critique esses perebas é demais, mesmo se niguem criticar o mundo sabe que eles não jogam nada (pelo menos para a série A), até a minha esposa que não entende nadinha de futebol já sebe que é tudo cabeça de bagre, vai ser otimista la na praia.
    Eron

Postar um comentário

Os comentários aqui postados sofrerão moderação. Anônimos serão deletados, sem dó, nem piedade.
Não serão aceitos comentários grosseiros com palavrões, xingamentos, denúncias, acusações inverídicas ou sem comprovação e bate-bocas.
Não pese a mão. A crítica deve ser educada e polida.

 
Força Azurra © 2011 | Designed by VPS Hosts, in collaboration with Call of Duty Modern Warfare 3, Jason Aldean Tour and Sister Act Tickets