Quando ser chato é não ver o todo, mas o seu umbigo

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Todos nós temos a nossa própria fórmula do sucesso. Duvido que tu aí não balances a cabeça quando alguém faz alguma coisa que aches errada. É da nossa natureza ser crítico. O humano é assim, ele observa, analisa e emite opinião sobre qualquer coisa. E o sucesso requerido é exatamente aquele da tua opinião.

Quando uma medida é tomada e não atinge o resultado almejado, chamamos a isso de burrice. Quando é positivo, o laudo é de competência e qualidade. Em regra geral, são as mesmas atitudes que o acaso tratou de dar uma bafejada.

Nesse meio tempo há o sujeito que se especializa em ser crítico profissional sem carteira assinada. O pentelho da ocasião. É do contra em tudo. Ele gosta do azul se for mais escuro e prefere o amarelo desde que seja mais tingido de vermelho. O alto está invariavelmente na parte de baixo da tabela e o baixo foge do ponto de perspectiva. Há também os que se assanham ser críticos por algum interesse, o que revela alguma patologia, nem que seja financeira. Normalmente, o crítico contumaz é aquele sujeito que dá risadas por ser difícil de agradar uma vez que ninguém quer agradá-lo. É o que acha que todos andam sobre o seu umbigo.

De alguma forma, o certo é que todas as alternativas são válidas e a gente é que é chato de galocha mesmo para coisas banais e somos levianos para negócios mais sérios.

Então, qual é a conduta para que algo dê certo? Dependemos desse relativismo? Quer dizer que os resultados é que devem ser analisados e não o planejamento? O mundo hedonista, aquele do prazer individual, é o que deve ser seguido?

O importante é se pensar que uma correção de rotas não deve viver apegada a sessões de pieguismo evangélico. É preciso entender que não se é perfeito nunca e se é estabanado quase sempre. O erro tem a nossa marca registrada, como apanágio da humanidade. Todavia, nem por isso, devemos sair dando cabeçadas num muro para testar a sua maciez.

A primeira coisa que determina o sucesso não é a capacidade de escolher os vencedores, mas permitir que os perdedores caiam fora. E essa concessão, algumas vezes, deve ser assistida. Incentivada, por que não? 

Quero ganhar com os que ganham. Os perdedores que arranjem outro caminho.

O futebol, por isso, não é um esporte da média. Não se faz futebol atuando na regularidade, corrigindo erros para uma próxima temporada. Os grandes conseguem algum sucesso porque tem algum crédito e tradição, mas cometem erros elementares como todo mortal. Os altos e baixos e desvio padrão assombrosamente grande são a máxima desse esporte. E seu viés de base é a bipolaridade.

O Avaí errou muito nesta temporada. Chegou-se a uma situação limite com um time limitado. Estamos a tentar corrigir erros impossíveis, que são perfeitamente normais em alguns grandes desse campeonato. Vide o todo e analise. Alguns outros nem erraram tanto assim e já estão, proporcionalmente, piores do que a gente. Tudo por causa daquela bafejada do acaso, lembra?

Mas, por esses acasos do destino, o Avaí pode viver a proeza de ser o time com a mais espetacular recuperação da história do campeonato brasileiro, acima até de muitos outros que já viveram situações parecidas no passado, em razão de nossa pequenez. Para isso, temos que entender o que é o futebol brasileiro. Neste lado do Atlântico, o esporte das classes burguesas britânicas vive de protagonismos e de melhores a cada semana. Com erros ou acertos. Quem sabe não está reservada para a nação azurra ser esta lenda no ano de 2011?

Basta, para isso, deixarmos de ser o caras mais chatos e críticos desse mundo, os boçais que se acham, e cairmos na farra da torcida mais apaixonada deste Sul do Brasil. Se não der o que queremos, pelo menos podemos dizer que fomos felizes. Nem que seja por alguns instantes. Eu vou ser feliz!

8 comentários:

  1. Anônimo disse...:

    Se tem uma coisa de certeza que acredito nessa vida, é a permanencia do Avaí na serie A, posso ate ser uns dos poucos que acredita, mas porque nao acreditar? A gente faz cosa mesmo!





    JC

  1. Ao contrário, JC, felizmente os que não acreditam é que são poucos. Mas eles têm outros interesses, faz parte de suas pretensões. A torcida do Avaí, ao contrário, essa não larga o pé.

  1. RODRIGO disse...:

    Aguiar o que a diretoria, presidente e departamento de futebol fez de besteiras esse ano foi uma grandeza. Vou torcer e fazer contas até a hora em que ainda tivermos chances. Nossa situação é complicada e disso não podemos negar, mas a nossa "avaianidade" sempre fala mais alto e é por isso que continuamos a ir ao estádio e torcer muito. Ainda tenho esperanças sim de permanência na série A, creio que se obtivermos insucesso será ruim para todo mundo. Só o que acho é que depois de passar essa tempestade que nos amedronta desde o ano passado (e se DEUS quiser) com a permanência na série A, não podemos esquecer disso que nos fizeram passar e cobrar. Sempre falei e vou repetir, sou AVAI FUTEBOL CLUBE independente de quem esta a frente do clube. Um grande abraço e contando já os dias para estar na Ressacada de novo torcendo!

  1. George disse...:

    Disse tudo o Rodrigo. Todos sabem dos problemas havidos. Até uma criança pode recitar nossas feridas. Essa conta será cobrada, mas não agora. O momento pede algo diferente. Pede apoio ao Avaí Futebol Clube, que já fez seu mea-culpa ao baixar os ingressos em todos os setores. Agora é conosco. Sigo firme. Quem esteve no último jogo sabe do que falo: a torcida foi determinante para o sucesso.
    Saudações.

  1. Obviamente que sim, Rodrigo, a situação é o reflexo das besteiras. O próprio Willeão falou isso na estrevista coletiva após o jogo: não precisaríamos estar passando por isso.
    Temos que fazer um balanço honesto e sincero após o campeonato. Botar as cartas na mesa e desejar que se arrume a casa como avaianos. Apenas como avaianos. O meu interesse é o Avaí. Por isso deixei de dar as minhas pancadas como fiz até bem pouco tempo, pois sei que pouco vai adiantar. Muitos idiotas entenderam isso errado, mas, paciência, o mundo é composto de idiotas e sensatos na mesma proporção, então...
    Vamos torcer, sim, para o Avaí ficar, pois mesmo com todas as dificuldades será uma dificuldade mais fácil do que ir para a serie B. É estar na série A, com Zunino ou sem Zunino, mas com os avaianos.

  1. É isso aí, George. #tamojunto.

  1. Anônimo disse...:

    Vamos ser sinceros. Esta todo mundo torcendo feito louco para o Avai sair desta situacao e nao cair ! Todo mundo esperando que isto aconteca.
    Se nao acontecer (toc toc toc), sera muito mais do que normal que estes dois anos inteiros de lambancas e desrespeitos com o torcedor venham a tona novamente e de-lhe sarrafada nas costas da diretoria !
    Quem nao quer ser criticado, que nao de tantos motivos assim para tal.
    Porem ainda nao acabou certo ? Entao vamos la !!!!
    Abracos
    Marcelo Alves

  1. Exato, Marcelo, quando acabar é outro papo. Agora é focar no campeonato.

Postar um comentário

Os comentários aqui postados sofrerão moderação. Anônimos serão deletados, sem dó, nem piedade.
Não serão aceitos comentários grosseiros com palavrões, xingamentos, denúncias, acusações inverídicas ou sem comprovação e bate-bocas.
Não pese a mão. A crítica deve ser educada e polida.

 
Força Azurra © 2011 | Designed by VPS Hosts, in collaboration with Call of Duty Modern Warfare 3, Jason Aldean Tour and Sister Act Tickets