Um campeonato mal pago

segunda-feira, 21 de março de 2011

Muita gente emite a (falsa) opinião de que o Campeonato Catarinense é fraco e não merece muita badalação. Discordo frontalmente. Aliás, é o tipo de manifestação de quem vive sonhando com grifes e não valoriza o que possui, pois vive sempre olhando para o quintal alheio. Normalmente esta mesma opinião vive abraçada com a de “camisas de marcas famosas”, “jogadores estelares” e “campeonatos da moda”, como o inglês, espanhol e italiano. O dos outros é sempre melhor do que o da gente.

Na verdade, nosso campeonato sofre de dois problemas: falta de remuneração e dirigentes amadores. Isso não é sinal de fraqueza, mas de pouco incentivo.

O primeiro problema é nítido. É quando a famosa rede de TV estrangeira, que chupa bomba e veste saia com bainha nas pernas, que desdenha de nossa cultura e faz dumping mercadológico, sendo financiadora do campeonato local, prefere transmitir jogos de campeonatos de outras praças ao invés dos nossos. Ou nem se empenha em fazê-lo. Entende ela, a rede, que o nosso campeonato é pouco observado pelos torcedores nativos e, ao contrário de investir e valorizar as coisas da terra, prefere o produto pronto e mais digerível de outras bandas. Seria o mesmo caso do padeiro que vende pão, em sua padaria, da padaria do vizinho. O Gerson, do blog Avaixonados, chama isso de trato comercial. Eu prefiro dizer que é burrice.

A outra situação em que a remuneração é baixa diz respeito às grandes empresas do Estado que financiam clubes de futebol dos estados vizinhos. É o mesmo caso do sujeito que vê a sua casa caindo aos pedaços, mas vai consertar a casa ao lado. Ou o cabra que pede empréstimo para ajudar um amigo endividado. No futuro, a clientela saberá dar a dose necessária de fidelidade a estes "empresários sabichões".

Contamos, também, com uma federação de futebol inepta, decadente, permissiva, arrogante e interesseira, cujo principal objetivo é manter o que está aí. Possui uma rede enorme de favorecimentos e vive agarrada a conceitos antiquados de gestão do futebol. Até os homens das cavernas evoluiram. Mas a gente do Dotô...

O segundo problema do sofrimento de nosso campeonato é a presença, exatamente, de dirigentes amadores, que permitem tudo isso. São lenientes e vivem de favores, aceitando de bom grado as migalhas que lhes são derramadas da mesa. Jamais elaboraram um plano de crescimento coletivo, de investimento em equipamentos especializados para o futebol, em arrumar seus estádios em conjunto, enfim, em dar um salto de qualidade na organização do futebol no Estado. São incapazes e vaidosos e medem suas conquistas pela quantidade de baixarias entre Capital e Interior. Quem mais jogar xixi (e outras cositas!) na cabeça dos torcedores de fora, é o herói da rodada.

Ainda assim, o campeonato catarinense revela bons valores e somos capazes, mesmo com todas as dificuldades e esquisitices, de assistir a bons jogos e termos ótimos talentos sendo revelados a cada temporada.

Resta a quem gosta das coisas de nossa terra investir mais e modernizar as relações de futebol e os seus negócios ao redor por aqui. Mas, faltam neurônios.

1 comentários:

  1. Sergio Junior disse...:

    Sintese perfeita, falta de remuneração e dirigentes amadores, bem como o que foi dito sobre aquela rede de tv. Assino em baixo.

Postar um comentário

Os comentários aqui postados sofrerão moderação. Anônimos serão deletados, sem dó, nem piedade.
Não serão aceitos comentários grosseiros com palavrões, xingamentos, denúncias, acusações inverídicas ou sem comprovação e bate-bocas.
Não pese a mão. A crítica deve ser educada e polida.

 
Força Azurra © 2011 | Designed by VPS Hosts, in collaboration with Call of Duty Modern Warfare 3, Jason Aldean Tour and Sister Act Tickets