A soma de todos os nossos medos

quinta-feira, 14 de julho de 2011

Indiscutivelmente, a coisa não anda boa para os lados da Ressacada. E não adiantam mais as palavrinhas doces, as convocações chorosas, o pedido de apoio da torcida, promoções de ingressos, exaltações de amor e bengalinhas pueris, pois sabemos, nós e os quero-queros, que há problemas sérios a serem resolvidos.

E já! É pra agora! Urgente!

Ao longo de nossa história, todos os que vergam camisas listradas azuis e brancas sabem, as dificuldades foram imensas. Oceânicas. Não ganhamos títulos com cavalaria em campo e nem montamos uma estrutura com conchavos espúrios e duvidosos. Também nunca recebemos dinheiro do governo para montar estádio e nem contamos com apoio de indústrias e fábricas de azulejos para fazer times. Tudo foi como comidinha de canário: bico a bico, grãozinho por grãozinho.

Portanto, conquistar o que já conquistamos nestes três últimos anos foi estupendo e sensacional, mas requeria um pouco mais de cuidado e amor pelo clube daqueles que levaram tudo isto a acontecer. Valorizar a conquista.

O futebol, por isso, é ingrato. Ele pune os incautos. De toda a ordem e de todo o tipo. Ele não dá chances para erros. Ele não preserva quem anda na corda bamba. Ele aniquila quem quer mais de tão pouco. Um clube de futebol como o Avaí que, como disse, construiu sua trajetória sem benesses e nas dificuldades, que tinha tudo para dar certo, pode não apenas dar errado, mas afundar profunda e perigosamente no mais negro dos vales que o futebol conhece.

Exatamente por não possuir as vantagens e arranjos que beneficia alguns.

O Avaí é aquele novo rico que quer gastar o dinheiro recém ganhado comprando tudo e tirando proveito da boa fase, sem se preocupar com o futuro. É o sujeito que ganhou um carro zero potente na promoção da loja e agora sai por aí em alta velocidade, gabando-se do novo brinquedinho. O resultado de tudo isso todos já sabem e já presenciaram um dia na vida.

Só a administração do Avaí é que, parece, ainda não viu onde tudo isto vai dar. Não percebeu a encrenca onde estão metendo uma agremiação tão representativa como o Avaí. Ainda não acordou do sono dos ingênuos.

Quem já vestiu um sapato apertado sabe onde o calo aperta. E sabe o que fazer para afastar a dor. Ou então poderá viver com o incômodo, até o dia em que poderá perder não só o pé, mas a possibilidade de andar. E o Avaí precisa voltar a andar e de preferência com suas próprias pernas.

8 comentários:

  1. Kk de Paula disse...:

    Parabéns pelo texto. Muito consciente e real.

  1. Gilberto disse...:

    "Ainda não acordou do sono dos ingênuos".
    Talvez o tarde não exista e para tudo há o seu tempo. Contudo, quanto mais tarde o despertar maior será o caminho do retorno e maiores, ainda, serão as terras devastadas.
    Porém, até poderia ser ingenuidade se não fosse futebol. Nesta seara não há ingenuidade. Há malandragem! Há muita falta de ética e moralidade!
    Sinceramente, não sei os reais motivos que estão levando o Avaí para o caminho mais longo, tortuoso e difícil. Só sei que percebo reinar no Avaí uma deturpação de valores que aprendi como essenciais para as relações sociais, especialmente em relação à ética e à moral.
    Quem sabe sou eu quem viva acordado o "sono dos ingênuos". Pois, assim é o futebol. E assim sempre será o futebol brasileiro. Um reflexo de nossa política e de nossa sociedade!

  1. Brigadu, Kaká, ainda que eu não queira vivenciar toda essa "realidade". Tá difícil.

  1. Gilberto, a ingenuidade que eu apregoo é para aqueles que se acham espertos demais. O futebol, como você mesmo diz, é cruel. Não dá uma segunda chance. O sujeito pode ganhar agora, comer caviar, tomar champagne, mas daqui a pouco vem a conta e a indigestão.

  1. Aguiar,

    Vivenciar a decadência do Avaí é o que jamais gostaria de estar vivendo. Fico trite em saber que nós somos os que ainda acreditamos, mas acreditamos no que?

    Saudações amigo

  1. Fábio Azurra disse...:

    Aguiar, em que ponto o Avaí está?
    Falasse em outro post que aconteceria algo.
    Seriam mudanças, cobranças, saídas, renuncias,...?


    Sou torcedor e sócio, mas acompanho os fatos pelo que leio em alguns blogs.

    Abraço

  1. Carmen, nenhum torcedor de time algum do mundo gostaria de passar por isso, de má fase danada associada a um monte de incertezas.

  1. Julio, te garanto que vão haver mudanças. Se serão benéficas ou ruins, só o tempo vai dizer. Uma cosia é certa: água parada de poço não existe no Avaí.

Postar um comentário

Os comentários aqui postados sofrerão moderação. Anônimos serão deletados, sem dó, nem piedade.
Não serão aceitos comentários grosseiros com palavrões, xingamentos, denúncias, acusações inverídicas ou sem comprovação e bate-bocas.
Não pese a mão. A crítica deve ser educada e polida.

 
Força Azurra © 2011 | Designed by VPS Hosts, in collaboration with Call of Duty Modern Warfare 3, Jason Aldean Tour and Sister Act Tickets